É o estado de alteração da consciência, reversível, caracterizado por diminuição da interação com o meio e diminuição da tonicidade muscular. O sono consiste num período que alterna o descanso e a atividade cerebral intensa. O descanso cerebral durante o esse período, serve para a restauração dos processos químicos e físicos que vão se desgastando durante a vigília, além de servir para conservar a energia do organismo. O período de atividade cerebral intensa é responsável por processos importantes como os de consolidação da memória e os de aprendizado.

O sono se caracteriza por estágios ou fases que vão dos mais superficiais aos mais profundos, e também as fases em que sonhamos. Cada animal possui o seu período específico de sono de acordo com suas necessidades básicas de defesa e adaptação ao meio ambiente. O ser humano por influência da vida social, trabalho e meio ambiente, varia seus horários, mudando muitas vezes a sua rotina de vigília e sono.

O sono se modifica com a idade, assim como todos os processos fisiológicos. Um recém-nascido necessita de mais sono que uma criança maior, assim como um adulto jovem dormirá mais que um idoso. Existe uma mudança natural na quantidade e qualidade do sono com a idade.

Além disso, sabemos que cada indivíduo apresenta diferenças geneticamente determinadas que farão com que necessite de menor ou maior quantidade de sono (dormidores curtos ou longos), ou ainda, que necessitem dormir mais cedo, os matutinos, acordando também mais cedo e os que dormem e acordam mais tarde, os vespertinos.

Sono tranquilo e sono agitado

O sono é dito tranqüilo quando é satisfatório, ou seja, é restaurador, promove a sensação de descanso, e faz o indivíduo acordar bem e recuperado. O sono agitado é caracterizado por um sono muito interrompido que muitas vezes pode ser causado por distúrbios do sono como, Insônia, Apneia do sono, Síndrome das Pernas Inquietas, Movimentos Periódicos de Membros Inferiores. Existem outros distúrbios que podem piorara a qualidade do sono, promovendo muitas vezes agitação durante a noite, cansaço e sonolência durante o dia. Todos estes padrões de agitação e cansaço devem ser avaliados por um especialista.

O sono das crianças e dos adolescentes

Não existe uma definição exata de tempo de sono, sabemos que crianças recém-nascidas podem dormir até 18h por dia, e que esses períodos vão se organizando com a idade, com período maior de sono durante a noite e cochilos pela manhã e a tarde. Após os 3 anos em média, a criança precisará de um bom tempo durante a noite com um cochilo diurno, que após os 5 ou 6 anos de idade dificilmente serão necessários. A partir dos 6 ou 7 anos de idade, normalmente a criança dorme apenas no período noturno.

O importante é que a criança durma cedo, tenha horário para ir para cama e uma rotina familiar organizada e bem definida, para que o sono chegue, de preferência sempre antes das 22 horas, pois, os processos fisiológicos de liberação do hormônio de crescimento acontecem nesta primeira metade da noite.

Os adolescentes possuem um padrão bastante peculiar de sono que é a tendência de dormir mais tarde e acordar mais tarde. É o que chamamos de atraso de fase. Esta característica explica porque o adolescente tem dificuldade de acordar de manhã. Normalmente este período é passageiro e melhora na idade adulta. Bons hábitos de sono como ter horários regulares para dormir e acordar, além de evitar estímulos luminosos à noite como o uso de computadores e outros eletrônicos à noite ajuda muito no dia a dia e evita piora na qualidade do sono.

O sono do adulto e do idoso

Não existe atualmente uma definição ideal de tempo de sono, já que a necessidade é individual e vai variar conforme a faixa etária. Existem pessoas que necessitam de mais horas de sono que outras, no entanto, a média da população adulta é de 6 a 9 horas por dia. O idoso tem naturalmente uma fragmentação maior de sono que o adulto mais jovem. O sono noturno do idoso é mais irregular e é mais fragmentado. Além disso, o idoso apresenta curtos períodos de sono durante o dia. É o que chamamos de um padrão de sono polifásico, caracterizado por vários episódios de sono durante as 24h. O fundamental é a qualidade do sono e não a quantidade, o sono deve ser reparador.

Os cochilos

Os cochilos são episódios de sono deliberados durante o dia. Eles podem ser resultado de uma noite mal dormida e por uma conseqüente necessidade de sono ou podem ser resultados de hábitos culturais. O sono após almoço era muito usado nas sociedades de língua latina como Itália e Espanha (a siesta), esses hábitos foram mudando de acordo com as necessidades da sociedade atual. A soneca após almoço é bastante restauradora, e poderia ser mantida como um hábito, uma vez que a temperatura corporal reduz com a alimentação promovendo sonolência natural.

Os indivíduos insones, ou com menor necessidade individual de sono, geralmente não conseguem dormir após o almoço. Neste caso, o cochilo após o almoço poderia dificultar o início do sono a noite e deveria ser evitado. O importante dizer é que uma necessidade recente de tirar cochilos pode ser sinal de algum problema com a qualidade do sono. Em caso de dúvidas, converse com um especialista.

fonte original do artigo: http://www.especialistasdosono.com.br/informacoes-sobre-o-sono/